Dougie fala sobre McFly em novo ensaio fotográfico

Em nova entrevista para o site da revista FAULT, Dougie falou sobre a turnê do McFly e refletiu um pouco sobre a carreira da banda.

Confiram as fotos e tradução completa na íntegra:

ENSAIO FOTOGRÁFICO EXCLUSIVO DE DOUGIE POYNTER PARA A REVISTA ONLINE FAULT MAGAZINE

Dougie Poynter estreou no cenário em 2004 como membro da banda McFly que em treze anos de carreira acumularam mais de 19 músicas nos topos das paradas, 10 singles, 5 álbuns e sairão para sua 14ª turnê em Setembro! As habilidades pessoais de escrita de Dougie são tanto quanto impressionantes, sendo ele o compositor de canções escritas para 5SOS e One Direction respectivamente, ele estreou como repórter convidado da Fault Magazine na London Collection Man.

Nós nos unimos à Dougie para conversar sobre a turnê do próximo mês, momentos favoritos da banda e onde seus passos criativos estão o levando.

Quando surgiram as notícias de que seu colega de banda, Harry Judd tinha sofrido de um problema no pescoço forçando vocês a adiarem a turnê Anthology, você ficou aliviado com o tempo extra para ensaio?

É estranho, pareceu como se alguém tivesse mexido com o Natal. Continuo muito animado e agora Danny vai realmente aprender todas as músicas de novo. A pouca produção que tínhamos para essa turnê era um teleponto para as letras então será bom se livrar disso.

Você foi de 6 membros do McBusted para voltar aos 4 do McFly, o palco parecerá mais desencorajador com menos membros?

Terá mais espaço com certeza, pois com 6 vivíamos correndo ao outro. Quando tocávamos em arenas, era ótimo, pois o palco era gigante, mas nossas guitarras saíam muito amassadas. Tenho surpreendentes pulos na manga agora que tenho espaço extra.

Em poucas palavras, o que os fãs podem esperar para ver nessa turnê?

É uma volta ao tempo para cada álbum. Haverá músicas que, como banda, tocamos apenas uma vez durante as gravações, mas nunca tocamos ao vivo. Será definitivamente único para a gente.

Olhando de volta para 2013 e o primeiro álbum do McFly, muitos falaram que vocês seriam uma febre passageira, mas aqui estão em 2016, prestes a embarcar em uma turnê nacional. Qual é o sentimento de provar que tantos pessimistas estavam errados?

Parece certo, mas não em um tom prepotente porque, para nós, tem sido algo contínuo. É realmente bizarro quando alguém vêem falar “vocês foram meu primeiro show quando eu tinha 6 anos” e agora estão adultos com empregos e crianças! Nós nunca paramos de trabalhar de verdade, mesmo quando tiramos 9 meses para trabalhar em outros projetos depois do McBusted, estávamos todos ainda trabalhando.

Somos gratos que tivemos a oportunidade de continuar fazendo música porque sempre falamos entre nós “a banda não será para sempre”, por mais que agora estamos começando a pensar que sim! Nossa incrível base de fãs nos mantém mesmo quando não lançamos música nova há muito tempo. Na verdade, já gravamos 2 álbuns e simplesmente destruímos eles pois não nos convenceram nem um pouco!

Vocês conseguem ver turnê do McFly quando estiverem velhos com cabelos grisalhos?

Se sobrevivermos, sim! Todos andam se machucando, Harry está com uma hérnia de disco e Danny fraturou o cotovelo então é bom ter mais tempo para se recuperar.

Você consegue escolher um momento favorito da sua carreira?

Já fizemos coisas muito legais, ganhamos prêmios e estabelecemos recordes mundiais, mas honestamente, quando estamos todos juntos e relembrando, nossos momentos favoritos são quando estamos simplesmente mijando por aí e fazendo nada de bom. São as pequenas coisas… embora seja legal ganhar prêmios.

Planos futuros para o resto do ano?

Todos têm suas próprias coisas acontecendo. Conforme fomos envelhecendo, nossas carreiras solos nos mantiveram ocupados. Tom tem suas composições e Danny é DJ e eu tenho ido aos Estados Unidos fazer minhas coisas. Nós provavelmente adiaremos de novo a turnê depois que eu me machucar nesse ensaio fotográfico.

O que você tem feito nos Estados Unidos?

Tenho feito aulas de atuação nos últimos 2 anos. Eu realmente gosto de estudar e começar novos ofícios. É um pouco de tudo e no final da turnê, eu planejo me realocar para LA e continuar atuando.

Apesar de apenas ter lançado sua música, a imprensa continua a escrever sobre seus relacionamentos pessoais, alguma vez essa pressão se tornou muito para você?

Eu não curto histórias pessoais sobre mim, sempre me apavora. Conheço algumas celebridades que conseguem disfarçar e simplesmente dizer que a imprensa é boa, mas tem algo sobre isso que me deixa muito desconfortável.

Qual é o seu DEFEITO*? (*Fault, nome da revista)

Odeio me sentir impotente. Tenho me envolvido bastante com caridade limpando o oceano e impedindo que plásticos e micro plásticos sejam descartados, mas é desconcertante ver quantas necessidades devem ser concluídas e o quão pouco posso fazer sozinho.

Clique nas miniaturas para visualizar as imagens:

Wild-Above-Rule-616x3470-9-of-9-800x533 Wild-Above-Rule-616x3470-5-of-9-800x533 Wild-Above-Rule-616x3470-3-of-9-1-800x533 Wild-Above-Rule-616x3470-1-of-9-1-800x533
Wild-Above-Rule-616x3470-1-of-1-528x800 ss-800x595 Screen-Shot-2016-07-18-at-01.24.56-800x515

FONTE: FAULT MAGAZINE

“I’m too far gone, it’s all over now, and you can’t bring me down…”

Jornalista, apaixonada por línguas, livros, música e seriados de tv. Acredita que o mundo é muito grande e a vida é muito curta para não aproveitarmos nosso tempo conhecendo lugares, pessoas e culturas novas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *