Entrevista e sessão de fotos de Dougie Poynter

Durante uma sessão de fotos, Dougie Poynter respondeu a algumas perguntas de Thomas Wood (o próprio fotógrafo) falando sobre sua nova carreira de ator, fotos, moda, Los Angeles e eventos do mundo fashion.

Confira a nossa tradução na íntegra e algumas fotos deste dia abaixo:

Uma entrevista com Dougie Poynter

dougie-poynter-entrevista_damaged-digital
Dougie / Jacket – Vintage (Stylist’s own)

Thomas Wood: O que você está achando de ter voltado para o Reino Unido?
Dougie Poynter: Odiando! Tem sido assim por dias – sem chuva, mas com uma garoa chata e eu fico muito mal por causa do jetlag. Eu estou bem. Não estou acordando muito tarde, mas 10 da manhã para mim é tarde. Então estou absolutamente exausto e não consigo acordar naturalmente, e eu tenho um despertador muito velho. Sabe aquele modelo com o sino? Estou ficando maluco! Minha cama fica no nível do mezanino e às vezes ele cai lá na sala de estar. Então, é, no momento não estou curtindo muito ter voltado.

Thomas Wood Dougie Poynter Lauren Bryant Natasha Keville Damaged Goods Magazine Digital
Dougie / T-shirt – Alexander McQueen / Leather jacket – Levi’s / Necklace – Matt Foster

Tom: É, nós dois voltamos de LA no mesmo dia, eu estou me sentindo mais ou menos assim. Você já voltou à sua rotina?
Dougie: Sim, eu já cheguei acelerado e tenho trabalho bastante desde então. Acho que tive alguns dias para me acomodar e já fui direto para as aulas de atuação. O que mais aconteceu… Tive alguns eventos para ir…

Thomas Wood Dougie Poynter Lauren Bryant Natasha Keville Damaged Goods Magazine Digital
Dougie / T-shirt – Alexander McQueen / Leather jacket – Levi’s / Necklace – Matt Foster / Trousers – Burberry / Shoes – Vans

Tom: Eu acho que o British Fashion Awards foi o que mais se destacou para mim. Como foi?
Dougie: Ah é, Haha! Sim, teve essa coisa. Que foi bem legal! Acho que foi alguns dias depois que eu voltei.

Tom: O que eu presumo que ajude um pouco saber que vai voltar e ter coisas para fazer. Mas você acha que esses eventos são divertidos ou às vezes é uma chatice?
Dougie: Não, não! Eu gosto! Especialmente com o jet lag, já que isso funciona a seu favor. Você está por ali lá pelas… Você sabe, meia noite e os prêmios estão rolando e eu estava completamente acordado. Normalmente lá pela 1 da manhã eu já estou cansado. Eu fico tipo ‘eu não consigo ficar de olhos abertos, preciso ir embora!’ Mas eu me peguei na after party até as 4 da manhã, só conversando, porque eu estava completamente acordado. Foi lá no Royal Albert Hall, então foi bem grandioso e épico!

Thomas Wood Dougie Poynter Lauren Bryant Natasha Keville Damaged Goods Magazine Digital
Dougie / Jacket – Gucci

Tom: Hah! Sim, entendo totalmente, bem excêntrico. Pareceu incrível. Eu vi uma imagem de uma escadaria que davam para um salão que pareia realmente incrível.
Dougie: Ah, é! Cara, parecia que você estrava indo para uma ópera na época dos anos 1900 ou algo assim. Todo mundo estava bem vestido e você andava por esses grandes salões e pelos órgãos do Royal Albert Hall. Todos os estilistas estavam literalmente no mesmo lugar, o que foi legal pra caralho. E também tinham grandes nomes lá: – ver pessoas assim eu sempre fico “Caralho! Essas pessoas têm um grande impacto na cultura e eles fizeram tanto durante suas vidas e isso é incrível pra caralho’.

Thomas Wood Dougie Poynter Lauren Bryant Natasha Keville Damaged Goods Magazine Digital
Dougie – Jacket – Gucci

Tom: Sim, eu adoro essas coisas. Sempre muito motivador, eu acho. É bem legal que você tenha tido algumas coisas para fazer para poder voltar aqui e também para voltar à sua rotina. Tipo, onde eu moro não acontece muita coisa, é quase uma cidade fantasma, olhando pelo sentido criativo e artístico. LA foi totalmente o inverso, todo mundo parecia querer sempre ultrapassar seus limites e tinha uma energia muito boa.
Dougie: Cara, lá é assim em todo lugar, né? Tipo aquela noite em LA que saímos para jantar.

Tom: No café 101? O design tipo arte deco e a vibe geral era muito boa.
Dougie: Sim, café 101. Tem alguma coisa naquele tipo de lugar que não parece ser de agora, quase como se eles tivessem literalmente entrado em um túnel do tempo.

Thomas Wood Dougie Poynter Lauren Bryant Natasha Keville Damaged Goods Magazine Digital
Dougie / Leather Jacket – Levi’s

Tom: Sim, definitivamente. É quase o mesmo que aqui, né? Só que de uma forma mais britânica. Tudo está preservado naquele estilo Tudor típico.
Dougie: Eu acho que é por isso que eu mudei para esta área em particular. É bem britânico e por aqui onde eu vivo tem bastante história e acho que é aqui que me sinto mais confortável. Apesar de LA não ter muita história, onde eu fiquei meio que tem, é bem do estilo antigo de Hollywood. Tem lugares como Venice que tem sua própria cultura, como aquela coisa de diversos canis e tal, você consegue ver que isso ainda existe e isso é bem legal. E todos os skatistas profissionais nos parques, você conseguiu ver isso?

Thomas Wood Dougie Poynter Lauren Bryant Natasha Keville Damaged Goods Magazine Digital
Dougie / Jacket – Saint Laurent

Tom: Sim, eu vi. Eu passei a minha adolescência nos parques de skate e nós temos alguns lugares parecidos no Reinio Unido, mas eu tive a sensação de que a cultura e o senso de comunidade de lá eram mais fortes.
Dougie: Sim. Alguém percebeu em uma das fotos que eu tirei lá que o cara na foto era, tipo, alguém importante. Ele foi o melhor skatista que eu já vi com os meus próprios olhos. Quer dizer, ele estava vestido como uma estrela do rock, mas estava voando na pista como um atleta. A postura dele e tudo mais parecia mais como um ginasta. Todos aqueles skatistas… Eles comandam o lugar. É bem interessante ver que eles se respeitam e dão uma chance para todos e quando o parquet fecha assim que o sol se põe, eles vão embora como se alguém os tivesse dito para irem. Eu acho que se eu tivesse sido criado na Califórnia, eu não teria feito outra coisa sem ser surfar e andar de skate!

Tom: Sempre foi Califórnia ou LA para você? Ou foi mais a atuação que te levou até LA?
Dougie: Eu estive indo e vindo entre LA e o Reino Unido desde os meus 16 ou 17 anos, eu acho. Eu acho que originalmente foram as aulas, que eu estava frequentando. E digo que há várias escolas de teatro incríveis, mas eu criei laços bem fortes com alguns professores de lá, então eu me sentia confortável. O que eu realmente amo sobre Los Angeles é que é a capital do mundo criativo e do entretenimento. Parece que lá ninguém tem um trabalho normal das 9 às 5 e tem aspirações.

Thomas Wood Dougie Poynter Lauren Bryant Natasha Keville Damaged Goods Magazine Digital
Dougie / Jacket, scarf and shoes – Saint Laurent / T-shirt – Alexander McQueen

Tom: Então que parte do estudo que você gosta?
Dougie: Eu me apaixonei pelo processo de estudo da atuação. É como um estudo sobre você mesmo em muitos níveis para começar. Nós/você/eu podemos ficar presos em rotinas de ser de uma certa maneira, acontece e eu nem ao menos percebo que está acontecendo e eu não perceberia que algo estaria errado. É quase como uma terapia durante o primeiro ano e não haviam grandes intenções de fazer nada a não ser aproveitar.

Tom: De onde veio o interesse pela atuação? Eu pressuponho que é algo que caminhe junto com as indústrias da música e da moda também.
Dougie: Eu fiz um filme aos 17 anos, com Chris Pine e Lindsay Lohan, e eu fiz clipes desde criança. Então haviam coisas que eu já compreendia. Eu sempre quis ir e estudar, então comecei a receber ofertas para pequenos papéis independentes, filmes curtos ou coisas de artes e coisas relacionadas à moda. Eu recusei e fui estudar. Queria fazer tudo adequadamente.

Thomas Wood Dougie Poynter Lauren Bryant Natasha Keville Damaged Goods Magazine Digital
Dougie / Jacket – Saint Laurent / T-shirt – Alexander McQueen

Tom: Há algo nesse universo que o influenciou, ou estilos e gêneros de filmes que fizeram isso?
Dougie: Sim, é algo que eu não posso meter o dedo. Como, “quando tudo se encontra?”. Então quando a atuação está no ponto, o estilo e tom estão no ponto e além disso, uma trilha sonora épica. E quando toca uma dessas trilhas sonoras no violão para alguém e você vê a reação deles porque eles estão emocionalmente envolvidos no momento, isso eu sempre achei fascinante e sempre quis fazer parte de algo assim. Quer fosse escrevendo música para isso, atuando ou nos elementos criativos que envolvem a criação desse momento.

Tom: Definitivamente. Para mim, como artista visual, Nicolas Winding Refn que dirigiu “Drive” e “Valhalla” é uma grande influência para o meu trabalho por esses aspectos que você mencionou.
Dougie: Sim, tudo se combina. Quando você ouve a trilha sonora de “Drive”, aquela música “Real Human Being”, você consegue visualizar tudo! Você visualiza as cores, a jaqueta, a atuação do Ryan Gosling nesse filme e é incrível. São coisas assim que inspiram.

Tom: Em um quesito mais visual, você diria que a arte foi algo atuante na sua vida também?
Dougie: Sim, eu acho que sem se esforçar muito para perceber, eu não sou um grande colecionador de quadros. Eu tenho algumas fotos preto e branco, maioria de bandas. Creio que sempre foi algo constante na minha vida porque eu realmente sou horrível em qualquer coisa relacionada a negócios ou números, ou qualquer coisa e eu sou muito mais visual. Eu trabalho visualmente com tudo. Como compor, há sempre uma imagem e uma história visual. Algumas pessoas conseguem escrever músicas que são tecnicamente brilhantes e você compõe elas e se conecta emocionalmente depois, mas para mim, elas sempre precisam ter a mesma imagem.

Thomas Wood Dougie Poynter Lauren Bryant Natasha Keville Damaged Goods Magazine Digital
Dougie / Jacket – Saint Laurent / Bracelet – Gucci

Tom: Eu quero apenas retornar às fotografias preto e branco que mencionasse. Você posta bastante conteúdo monocromático no Instagram. Você pode nos explicar sua fascinação sobre o assunto?
Dougie: Ah, cara, eu já tentei fazer isso muitas vezes. Eu não odeio fotos coloridas, mas há algo sobre fotos em preto e branco que sempre chamou minha atenção. Eu acho que iniciou com as bandas crescendo, eram fotos preto e branco das revistas que eu gostaria de ter nas minhas paredes. Creio que seja porque deixe muito mais para imaginar. É muito mais sobre a emoção e algo a mais.
Eu acho que eu reflito sobre isso porque isso estava me irritando, sobre gostar de fotos em preto e branco. Quando fotógrafos entram em contato comigo ou quando eu tenho uma sessão de fotos, eu digo “use preto e branco”. Eu um momento eu até procurei no Google “por que eu gosto de fotos preta e branca?”, e uma vez um cara famoso disse que fotografias pretas e brancas captam as almas das pessoas e o foco é puramente no momento.

Tom: Há alguma foto na sua coleção que se destaca para você?
Dougie: Eu não tenho nenhuma original, mas tenho fotos dos shows do começo do Nirvana quando Kurt pula na bateria. Há uma no meu corredor então eu vejo todos os dias e é uma das minhas fotos favoritas. Eu sempre encontro algo diferente nela. Parece ser no fundo de um pub ou em um lugar pequeno, e o palco está literalmente com baquetas em todo o chão, madeira, cabos por todo lado, Kurt está no meio da bateria. Eu acho que era antes do Dave Grohl, é difícil dizer porque o cabelo do baterista cobre o rosto. Então, ao fundo do palco há um espelho então você pode ver o que não consegue ver no enquadramento. Eu amo ela.

Thomas Wood Dougie Poynter Lauren Bryant Natasha Keville Damaged Goods Magazine Digital
Dougie / Jacket – Saint Laurent

Tom: Sim, eu amo quando uma imagem consegue registrar um momento tão forte como esse. Então para encerrar, o que está na sua agenda para 2017?
Dougie: Então, 2017. Estou gravando dois filmes, ambos filmes independentes britânicos. Roteiristas e diretores britânicos. Um no começo do ano e um na primavera que irá até o verão. Estou entusiasmado. Estive estudando por anos então creio que o próximo passo é colocar em prática e fazer alguns projetos pequenos. É como ensaiar com a banda, você sabe que eventualmente você terá que sair e tocar alguns shows.

Tom: Parece bem legal, estou ansioso para ver o que você fará no próximo ano.
Dougie: Valeu, cara! Mal posso esperar para chegar ao final do ano para iniciar as tarefas de 2017. Então é isso, veremos.

Thomas Wood Dougie Poynter Lauren Bryant Natasha Keville Damaged Goods Magazine Digital
Dougie / Jacket – Enfants Riches Déprimés

Fotos e entrevista: Thomas Wood @thomaswoodphotography
Modelo: Dougie Poynter @idougahole
Estilista: Natasha Keville @tashkeville
Fotógrafo assistente: Lauren Bryant @laurbryant
Agradecimentos especiais a West Yorkshire Camas @wycameras

Fonte: Damaged Digital.

“Off to LA, that’s where I’ll stay for two years…”

26 anos, formada em Design Digital, cursando MBA em Gerenciamento de Projetos e trabalhando como Analista de Projetos em uma multinacional. Tem enorme paixão por música, livros, futebol e viajar ♡

One thought on “Entrevista e sessão de fotos de Dougie Poynter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *