Review: McFly no Civic Hall em Wolverhampton

No dia 11 de maio o McFly passou com o show da turnê Memory Lane pela cidade de Wolverhampton, confira abaixo a review feito pelo site Express & Star.

Review: McFly no Civic Hall, Wolverhampton

mcfly - wolverhampton

Há dez anos os membros da boyband McFly embarcaram em sua primeira turnê, a partir de Wolverhampton.

Avançamos uma década, e os roqueiros adolescentes se transformaram em homens, e agora completa uma nova imagem inteligente, um corpo masculino artesanal e faixas de casamento, seu amor pela cidade que ajudou a lançar a carreira de super sucesso nunca diminuiu.

Eles podem vender para grandes arenas sorrindo. Mas isso não impede que os meninos regressem ao seu lar espiritual em todas as turnês, com um aceno para aqueles que estiveram com eles desde o início.

É um sentimento simples, que diz que independente da fama, dinheiro e adoração de milhões, estes rapazes são da terra, e bem agradáveis.

E porque eles são pagos com alguns dos fãs mais leais do jogo, alguns que ficaram felizes em passar um dia no campo, no vento e na chuva para chegar o mais perto possível de seus ídolos.

Armados com barracas, sacos de dormir, cadeiras de campismo e lanches, o fãs do McFly começaram a chegar do lado de fora do Civic Centre da cidade, a partir do meio dia de sexta feira, um total de 30 horas antes das portas do local serem abertas.

Jessica Kennedy, de 21 anos e Emma Lofald, 21, viajaram de Wisconsin nos EUA para estar nesse show.

Emma, cujo aniversário foi no dia do show disse: “Eu amo esses caras a seis/sete anos e nunca vimos tocar no EUA, fomos visitar a Inglaterra, e pensei que seria o nosso único tempo para vê-los.

“Eu queria chegar o mais perto possível deles. Eles têm grandes personalidades.”

“Eu não me importo de estar na chuva em Wolverhampton no meu aniversário, porque vê-los tocar vale a pena.”

Também na fila estava Helen Clemente, 27 anos, que estava na fila desde meio dia de sexta feira, que foi quando chegou de Paris a Wolverhampton com seus pais Laurent e Catherine.

“Eu os vi em Paris e em Londres algumas vezes, mas esta foi a minha primeira visita a Wolverhampton. Eu iria assisti-los em qualquer lugar, e continuo voltando e nunca me canso.”

Claudia Cala, 23, e sua irmã Julia Cala,22, viajaram de Brussells na Bélgica e também se juntaram a fila ao meio dia de sexta feira.

Julia disse: “Este é o momento 70º que eu tenha os visto. Eu já vi eles tocarem na Bélgica, França, Londres, Newcastle, Wingan, tantos lugares e não me canso. Cada show fica melhor e melhor, se não eu não estaria aqui, também é uma grande chance de ver o mundo. Montamos nossa barraca aqui desde o meio dia de sexta feira. Estamos acostumadas com isso agora.”

Shannon Cooper, de Claregate, Wolverhampton, que está na fila por treze horas para entrar no Civic para o show de sábado, disse: “Você tem a sensação de que eles realmente se preocupam com as fãs, eles são reais e é isso que encontramos no palco.”
“Eu ainda amo sair para vê-los. Eles são caras incríveis”.

E os dedicados fãs não vão se desapontar com o show que seus ídolos prepararam para eles.

Misturado com seus maiores sucessos dos últimos 10 anos, o show Memory Lane conseguiu colocar um sorriso no rosto de cada membro da multidão.

A seqüência de hits inegavelmente cativantes, cantados ao longo do show com gritos da platéia, incluindo Obviously, Five Colours in Her Hair and All About You, a multidão foi ao seus pés, com alguns dançando e pulando como se não tivesse uma preocupação no mundo, a banda terminou sob aplausos com o arrebatador e melódico The Heart Never Lies.

Com a maioria do público composta por mulheres de vinte e poucos anos, parece que aqueles que subiram a bordo do movimento McFly todos esses anos atrás, ainda estão curtindo muito a festa.

Mas as centenas de pais a espera do lado de fora do local para buscar seus jovens no final do show, provou que eles ainda estão reunindo toda uma nova geração de fãs ao seu redor.

Alguns descartaram como um ato de momento que iria desaparecer na obscuridade, após os fãs da banda aumentar.

Mas esses meninos aprenderam a receita para o sucesso duradouro, ter talento musical natural, e usá-lo para escrever se sentir-se bem com as batidas, divertir-se com suas próprias palavras, e sempre manter os pés no chão.

Adam Thompson

Fonte

“She’s got a lip ring and five colours in her hair”

22 anos, formada em Rádio e TV e apaixonada por marketing. Amante do bom e velho futebol e louca pelo seu time do coração. Libriana ao pé da letra, odeia coisas incompletas e indecisa ao extremo. Aprecia os pequenos momentos e se tiver cerveja tudo fica perfeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.